Home

Menu

Facebook Twitter Youtube Flickr Gloogle+ Instagram


Compartilhe
EN | PT

musica

MM

Mais Marisa
MM

ANO
1989

FICHA TÉCNICA

Produzido por Nelson Motta

Direção Artística // Jorge Davidson 

Produção Executiva // Lula Buarque de Hollanda 

Direção Musical // Eduardo Souto Neto 

Direção Técnica // Sérgio Bittencourt 

Gravação e Mixagem // Sérgio Bittencourt, Renato Luiz e Geraldo Murro  

Supervisão de Manutenção // Jorge Nunes   

Auxiliares de Gravação // Ricardo e Márcio   

Projeto Gráfico // Claudio Torres  

Fotos Capa // Fotograma do especial Marisa Monte  

Fotos Contracapa // Márcia Ramalho  

Arte-final do CD // Egeu Laus  

Coordenação Gráfica // Tice Mousinho e Gualter Pupo  

Percussão // Marcos Suzano   

Baixo // Ronaldo Diamante 

Trumpete // Saulo Dansa  

Guitarra // Paulinho Muylaert  

Piano // Roberto Alves 

Bateria // Edu Szajnbrum

Backvocals // Letícia Monte, Suzana Ribeiro e Joana Motta 

Quarteto de Cordas (Bess you is my woman now):

Violino // Michel Bessier e Bernardo Bessler

Cello // Jaques Morelenbaum

Viola // Marie Christine Bessler               


SOBRE O ÁLBUM



“Conheci a Marisa Monte com 18 anos, no final de 1985, no Rio de Janeiro. Recebi-a, atendendo um pedido de minha irmã, amiga da mãe de Marisa, que queria uma orientação sobre professores e escolas de canto de Roma, onde eu estava morando, e para onde Marisa estava indo estudar. A garota estudava desde os 14 anos e queria ser cantora de ópera, mas gostava e tinha boa cultura de jazz e música brasileira. Dei-lhe alguns nomes e endereços, voltei para Itália e não a vi mais. Um dia em Roma, meses depois, fiquei sabendo dela através da jornalista Monica Falcone. Marisa estava indo estudar em Veneza, passando uns tempos em casa de amigos e me contou que aqueles poucos meses em Roma tinham sido suficientes para ela entender que não seria feliz vivendo fora do Brasil, que para fazer carreira no mundo lírico tinha que viver no exterior, que tinha achado uma chatice acadêmica a sua breve passagem por academias e professores italianos. Ia voltar para o Brasil. Mas no dia seguinte faria uma apresentação, um showzinho meio improvisado, num bar veneziano, acompanhada somente pelo violão do amigo Roberto Bortolucci, simpático dublê de músicos e cameriere, casado com uma Rosa brasileira, apaixonado pela MPB e sabedor de ritmos e harmonias das principais canções de Chico, Caetano, Milton, Gil, etc.